António Araújo: O passado é um lugar estranho: dever de memória, imperativo de esquecimento