APRESENTAÇÃO

Programa de Doutoramento em parceria com a Universidade Paris II Panthéon Assas,
Departamento de Ciências da Informação e da Comunicação, e com o CéSor-EHESS-Paris

Assente na relação entre investigação e ensino, o Doutoramento em Estudos Globais (DEG) tem por objeto o mundo em dinâmica de globalização. A natureza, intensidade e velocidade das interconexões entre os povos, as economias, as culturas e o ambiente suscitam oportunidades, mas também problemas e riscos à nossa coexistência, carecendo de novos instrumentos cognitivos e operativos.

Assim, dinamiza-se uma área de estudos ainda emergente em Portugal e nos países falantes de língua portuguesa, tendo por referência os “global studies”, de acordo com recomendações de instâncias mundiais, nomeadamente da UNESCO.

Articulando, numa perspetiva interdisciplinar, saberes das Ciências Sociais, das Humanidades, do Ambiente e da Educação, o DEG promove uma formação avançada que prepare quadros para lidar com os grandes temas, problemas e vias alternativas associados ao processo de globalização, criando conhecimento crítico e capacidade de intervenção no âmbito da construção de uma sociedade global sustentável eco-socio-culturalmente.

O objetivo de um Curso cujo foco é os Estudos Globais é o de dotar os estudantes de capacidades para a compreensão e a resolução de problemas de uma perspetiva internacional e global. Este grande objetivo assenta num programa multifacetado e não hegemónico, aplicado a contextos globais nos quais as sociedades são perspetivadas como subsistemas do mundo global interdependente, tendo em vista a justiça social. Com essa motivação, serão capazes de assumir a direção e a gestão de projetos de investigação, ensino e desenvolvimento em cenários de uso, exploração e experimentação do digital às organizações, demonstrando a capacidade de produção de conhecimentos teóricos e práticos nas áreas científicas deste programa de doutoramento, gerando e multiplicando investigações científicas, adequadas à sociedade e ao meio académico nacional e internacional.

Um doutor em Estudos Globais deverá ser capaz, adicionalmente, de liderar projetos de experimentação/investigação de conceção/investigação-ação neste domínio, levando a cabo processos de mudança que considerem fortemente a utilização das plataformas e redes, considerando os domínios de intervenção nas organizações, em geral, mas também na sociedade, junto de grupos e dos indivíduos, em especial.

Os estudantes deverão ser capazes de ter um pensamento complexo que, em vez de sobrepor, articula os saberes e reaproxima a teoria e a prática numa abordagem transdisciplinar.

O Curso que aqui se apresenta adota uma abordagem que se pretende equilibrada no que diz respeito às áreas científicas que o compõem, comparável apenas parcelarmente com outros 2-3 cursos de doutoramento oferecidos no espaço Europeu.

Por outro lado, ao funcionar em modo de Ensino a Distância online, este doutoramento adota um caráter pioneiro, acessível a doutorandos inseridos no mercado de trabalho e com necessidade de formação para a resolução de problemas globais.

Está prevista a colaboração em rede com vários especialistas externos em áreas relacionadas, de universidades nacionais e internacionais, no âmbito do Fórum em Estudos Globais, cujo contributo enriquecerá o Curso com saberes e experiências de outros contextos locais e nacionais, assim como facilitará a divulgação internacional do Curso. O Curso prevê, ainda, a estreita colaboração com a Cátedra Infante Dom Henrique para os Estudos Insulares Atlânticos e a Globalização (CIDH) e o Centro de Estudos das Migrações  e das Relações Interculturais (CEMRI) e os diversos polos de investigação sediados na Universidade Aberta. Os 14 Centros Locais de Aprendizagem (CLA) da Universidade Aberta espalhados por todo o país e o CLA de Moçambique proporcionam equipamentos adicionais (salas de exposição/intervenção, auditórios, acesso à Internet, etc.) a disponibilizar para atividades do Curso.

Através da criação deste Curso, pretende-se contribuir para abrir horizontes a novos saberes e competências transdisciplinares, assumindo totalmente o risco próprio do subjacente processo de inovação.

Ao concluir o DEG, o estudante deve ser capaz de:

  • Analisar o fenómeno da globalização, em aspetos relacionados com a realidade política e social, a comunicação intercultural, a educação para a globalização, o ambiente, a diversidade social, económica e multilingue das sociedades.

  • Refletir criticamente sobre questões globais, numa perspetiva interdisciplinar e multidisciplinar, destacando o papel das sociedades e das pessoas no processo.

  • Identificar necessidades de investigação, participando em equipas de pesquisa em E.G. e divulgando a investigação realizada junto de pares e da comunidade em geral.

  • Implementar metodologias de investigação e ações adequadas à resolução de problemas em E.G..

  • Gerir e influenciar processos de mudança resultantes da aplicação do conhecimento em E.G.

  • Inovar para a melhoria das condições de vida na relação sustentável entre cultura, economia, sociedade e ambiente, numa perspetiva global.

 

PLANO DE ESTUDOS / UNIDADES CURRICULARES

1.º Ano

Unidade CurricularDuraçãoHoras de trabalhoHoras de contactoECTSObs.
Seminário Avançado em Estudos GlobaisAnual260S-4010
Paradigmas da GlobalizaçãoSemestre I260S-4010
Sustentabilidade, Ambiente e GlobalizaçãoSemestre I195S-307,5
Globalização Económica e Contestação SocialSemestre I195S-307,5
Metodologias de InvestigaçãoSemestre II260S-4010
Política da Língua, Globalização e Diversidade LinguísticaSemestre II195S-307,5opcional
Literatura, Artes e TransculturasSemestre II195S-307,5opcional
Educação e GlobalizaçãoSemestre I195S-307,5opcional

 

2.º Ano
Unidade CurricularDuraçãoHoras de trabalhoHoras de contactoECTS
Seminário de Tese Doutoral IAnual1560OT-24060

 

3.º Ano
Unidade CurricularDuraçãoHoras de trabalhoHoras de contactoECTS
Seminário de Tese Doutoral IIAnual1560OT-24060

ORGANIGRAMA DO DOUTORAMENTO EM ESTUDOS GLOBAIS

Coordenação
Coordenador: José Eduardo Franco
Vice-Coordenadores: Darlinda Moreira, João Relvão Caetano, Rosa Sequeira

Comissão Científica da Universidade Aberta
Darlinda Moreira
João Relvão Caetano
João Simão
José Eduardo Franco
Mário Silva
Mário Negas
Pedro Abrantes
Rosa Sequeira
Sandra Caeiro

Comissão Científica Consultiva Internacional
Annabela Rita (Universidade de Lisboa)
António Araújo (Universidade de Lisboa)
Arlindo Oliveira /Universidade de Lisboa
Carlos Borrego (Universidade de Aveiro)
Carlos Carreto (Universidade Nova de Lisboa)
Carlos Fiolhais (Universidade de Coimbra)
Christine Vogel (Universidade de Vechta)
Celso Carminatti (Universidade do Estado de Santa Catarina)
Edgard Leite (Universidade Federal do Rio de Janeiro)
Fabrice d’Almeida (Universidade de Paris II – Panthéon Assas)
Guilherme d’Oliveira Martins (Universidade Católica Portuguesa)
Jacinto Jardim (CIDH-Universidade Aberta)
José Ignacio Ruiz Rodriguez (Universidade de Alcalá de Henares)
Luísa Paolinelli (Universidade da Madeira)
Luiz Eduardo Oliveira (Universidade Federal de Sergipe)
Marco Daniel Duarte (CIDH-Universidade Aberta)
Norberto Dallabrida (Universidade do Estado de Santa Catarina)
Onésimo Teotónio de Almeida (Universidade de Brown)
Paulo Ferreira da Cunha (Universidade do Porto)
Pierre-Antoine Fabre (École des Hautes Études en Sciences Sociales de Paris)
Rogério Souza (Universidade Federal da Santa Catarina)
Stephen Croucher (Universidade da Nova Zelândia)
Tânia Martuscelli (Universidde do Colorado em Boulder)
Teresa Pinheiro (Universidade de Chemnitz)
Valérie Devillard (Universidade de Paris II)
Viriato Soromenho-Marques (Universidade de Lisboa)

Secretariado Executivo
Ana Margarida Duarte (Departamento de Ciências Sociais e de Gestão)
Cristiana Lucas Silva (CIDH-UAb)